Principais Propriedades da Cafeína


     Evidências científicas sugerem que o consumo moderado de cafeína pode exercer efeitos benéficos sobre vários sistemas fisiológicos. Uma revisão bibliográfica publicada em 2010 destacou que o consumo moderado (200-300 mg) da cafeína possui as propriedades de:

1)      Diminuir a fadiga mental;
2)      Aumentar o gasto energético de repouso;
3)      Diminuir a sensação de esforço associado à atividade física;
4)      Melhorar o desempenho físico, motor e cognitivo;
5)      Aumentar a capacidade de concentrar e focar a atenção;
6)      Reforçar a memória de curto prazo;
7)      Aumentar a capacidade de resolver problemas que requerem raciocínio;
8)      Aumentar a capacidade de tomar decisões;
9)      Melhorar a coordenação neuromuscular.

Pesquisa confirmou uma destas propriedades quando observou que após 20 minutos do consumo de 100 mg de cafeína, indivíduos saudáveis apresentaram aumento da atividade neural em áreas cerebrais associadas com a atenção durante a execução de atividades que exigiam o uso de memória de curto prazo como, por exemplo, armazenar número de telefone por alguns minutos.
A cafeína (1,3,7-trimetilxantina) pertence a uma classe de compostos chamada xantina que apresenta estrutura química semelhante ao neurotransmissor adenosina. Esta substância possui ação farmacológica sobre o sistema nervoso central, pois pode aumentar a eficiência das redes neurais do córtex cerebral, além de relatos sobre o aumento do gasto energético.
Este efeito foi observado em um estudo científico em que homens saudáveis tiveram aumento significativo do gasto energético após 30 minutos da ingestão de cafeína em dose superior a 50 mg. Este efeito persistiu por pelo menos 4 horas, aumentando em 6% no gasto energético de repouso total.
A sensibilidade à cafeína varia muito de indivíduo para indivíduo. Investigadores descobriram recentemente um “gene que reduz a velocidade do metabolismo”, sendo que os indivíduos que apresentam este gene eliminam a cafeína mais lentamente. Um estudo recente mostrou que, nos indivíduos com esta característica, o consumo de café está associado ao aumento do risco de enfarte do miocárdio não mortal, sugerindo que a cafeína pode desempenhar um papel nesta associação. Estes dados necessitam de ser confirmados em pesquisas futuras. As mulheres grávidas, ou as pessoas que sofrem de determinadas condições médicas ou que são sensíveis à cafeína, devem ter cuidado e moderar o consumo deste ingrediente.
O consumo moderado de cafeína por dia, até 300 mg, ou seja o equivalente a 3 xícaras de café, geralmente não representa um risco para a saúde, desde que se disponha de alguns hábitos de vida saudáveis, aliando uma dieta balanceada com a prática de atividades físicas.
Entretanto, cabe ressaltar que o consumo excessivo pode causar efeitos adversos, como irritabilidade, dores de cabeça, insônia, diarréia e palpitações do coração.
A abstinência súbita de cafeína por pessoas acostumadas com um consumo razoável pode causar dores de cabeça, irritação e outros sintomas cuja gravidade varia de uma pessoa para a outra.

Comentários

  1. Muito interessante essas informaçãoes, vou voltar a tomar uma xic de café ao dia.
    Obrigada e parabéns pelo post.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Parkinson- Dia Mundial

Troque o Refrigerante por um Suco Natural

Romã e seus (muitos) benefícios