Aprendendo a ler rótulo de alimentos





Você tem o hábito de ler o rótulo dos alimentos? De acordo com dados do Ministério da Saúde (MS), cerca de 70% dos brasileiros consultam os rótulos no momento da compra. Entretanto, a maior parte das pessoas não entende corretamente a maioria das informações e se atenta a poucos itens, como prazo de validade e valor calórico do alimento.

               No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a ANVISA, é responsável pela regulação dos rótulos dos alimentos. De acordo com suas regras, é obrigatório constar neles valor energético, porção, medida caseira e quantidade por porção de carboidratos, proteínas, gorduras, fibras e sódio do alimento.



Entenda cada item e componha uma alimentação saudável para você e sua família:

 Porção: É a quantidade média recomendada para consumo daquele alimento dentro de uma dieta saudável. Geralmente, aparece em gramas ou mililitros. Preste bem atenção nesse item, porque os dados presentes no rótulo são sempre para uma porção, que pode ser, por exemplo, duas fatias de pão de forma, ou 50 gramas. Se você tem o hábito de consumir apenas uma fatia, divida os valores da tabela pela metade.

 % VD : A sigla significa percentual de valores diários e indica quanto o produto apresenta de energia e nutrientes para uma dieta de 2000 calorias (kcal) ou 8400 quilojoules (kJ).

 Medida caseira: Ao lado da porção, aparece essa informação muito importante, já que a maioria das pessoas não tem balança à mão para pesar os alimentos. Uma porção de cereal matinal tem 30 gramas, ou ¾ de uma xícara de chá. É para facilitar a vida do consumidor. Os termos mais usados nesse item são fatia, xícara, pote, unidades, copo e colher de sopa.

 Valor energético: São as famosas calorias. Mas essa informação também pode aparecer em quilojoules (kj). Aí é preciso lembrar que 1 kcal equivale a 4,2 kJ. A necessidade diária desse nutriente para um adulto saudável é de 2.000kcal ou 8.400 kJ.

 Carboidratos: A principal função desse componente é fornecer energia para as células do nosso corpo. Mas o que não é utilizado pelo organismo é armazenado em forma de gordura. Eles estão mais presentes em pães, massas, arroz, farinhas, tubérculos e doces. A necessidade diária para um adulto saudável é de 300 gramas.

 Proteínas: Atuam na construção e manutenção dos tecidos e órgãos do nosso organismo, como os músculos, e ainda dão sensação de saciedade, o que ajuda a comer menos. Por gastar mais energia ao serem processadas, elas aceleram o metabolismo, gerando um maior gasto calórico. Mas precisam ser consumidas na medida certa, caso contrário proporcionam o ganho de peso. As proteínas são encontradas principalmente em carnes, ovos, leguminosas -- feijões, soja, ervilha --, leite e seus derivados. A necessidade diária é de 75 gramas.

 Gorduras totais: São excelentes fontes de energia e ainda ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K. Esse valor na tabela engloba a soma de todos os tipos de gorduras encontradas no alimento, as de origem animal e vegetal. É um dos itens que mais merecem atenção. O consumo além da conta vai, com certeza, levar ao aumento de peso. A necessidade diária de gordura para um adulto saudável em uma dieta de 2000 calorias é de 55 gramas.

Gorduras saturadas: São as encontradas em alimentos de origem animal, como carne, pele de frango, queijos, toucinho, leite integral e manteiga, entre outros. Atenção redobrada nesse item, porque o exagero pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares. Por isso, muita moderação na hora de ingerir alimentos com alto %VD. A necessidade diária não passa de 22 gramas.

Gorduras trans: É o elemento que mais deve ser controlado e, se possível, evitado. Também conhecidas como ácidos graxos trans, essas gorduras estão disponíveis em alimentos industrializados, como margarinas, biscoitos, cremes vegetais, sorvetes e salgadinhos prontos, que têm gordura vegetal hidrogenada na sua preparação. Elas não desempenham nenhuma função no organismo e ainda são grandes inimigas do funcionamento do coração. Repare que, inclusive, não há %VD dessa substância na tabela, pois sua ingestão não deve ser estimulada. A Anvisa recomenda que não se consumam mais de 2 gramas desse componente num dia.

 Fibra alimentar: A ingestão delas é fundamental para o organismo. Elas ajudam a controlar as taxas de glicemia e de colesterol, melhoram o trabalho do intestino e, de quebra, aumentam a sensação de saciedade. Elas estão em vários tipos de alimentos de origem vegetal, como frutas, hortaliças, feijões e cereais integrais. 25 gramas por dia já trazem todos esses benefícios.

 Sódio: Presente no sal de cozinha e em alimentos industrializados -- salgadinhos de pacote, molhos prontos, embutidos --, o sódio atua na regulação hídrica e até no funcionamento do cérebro. Mas, em excesso, pode ser bastante prejudicial, provocando retenção de líquidos e aumento da pressão arterial. Por isso, os hipertensos devem controlar o consumo desse nutriente. A necessidade diária é de 2400 miligramas.
 

Entenda melhor algumas nomenclaturas

Acidulantes: aditivos químicos que modificam a sua acidez ou melhoram o sabor dos alimentos. Por controlar o pH, evitam a ação de micro-organismos e podem aumentar a durabilidade do produto. O uso excessivo pode provocar cirrose hepática, descalcificação dos dentes e dos ossos.

Antioxidantes: aditivos que previnem a deterioração dos alimentos pela oxidação. Os mais usados são o ácido benzóico, vitaminas A e E, nitratos e nitritos. Seu excesso está relacionado a alergias, distúrbios gastrointestinais, dermatite, hipersensibilidade e câncer.

Corantes: adicionados para substituir cores perdidas durante a preparação ou para tornar os alimentos mais atraentes. Podem ser naturais ou sintéticos. Alguns corantes permitidos no Brasil podem causar alergia, convulsões e câncer, como o vermelho-40 e a tartazina.
 
Espessantes ou estabilizantes: aumentam a viscosidade do produto e estabilizam emulsões. Pode ter ação laxante.

 Edulcorantes: presentes principalmente em alimentos especiais ou com restrição calórica, em substituição ao açúcar. Os mais usados na indústria são o aspartame, o ciclamato de sódio e a sacarina sódica, proibidos nos Estados Unidos depois que estudos relacionaram seu uso ao câncer. Um edulcorante seguro é sucralose.

Flavorizantes: responsáveis por imitar o sabor natural de um produto, mas podem causar alergias.

Fenilalanina: substância importante para o metabolismo e para o bom funcionamento do cérebro. Para os portadores da fenilcetonúria, doença genética caracterizada pela incapacidade de degradar a fenilalanina, é tóxica. Por estar na estrutura química do aspartame, pode aparecer em alimentos dietéticos e light.

 
Você Sabia?
·         Segundo as regras da ANVISA, os ingredientes devem aparecer na tabela nutricional em ordem decrescente. O primeiro é aquele que está presente em maior quantidade no produto e o último, em menor. Essa informação facilita na hora de comparar duas ou mais opções na gôndola.

·         Para ter uma alimentação mais saudável, dê preferência a produtos com baixo %VD para gorduras saturadas, gorduras trans e sódio; e a produtos com alto %VD para as fibras alimentares.

·         O controle do sódio deve ocorrer em duas frentes: é preciso evitar as bombas cheias do mineral disponíveis nas prateleiras dos supermercados e economizar nas pitadas de sal durante a preparação dos alimentos.

·         Pessoas com restrições alimentares precisam saber o quanto podem consumir de cada nutriente e sempre contabilizar a sua ingestão.

Comentários

  1. Olá, boa tarde!

    Gostaríamos de divulgar nossa página a qual contém informações relevantes e pertinentes em relação as a legislações sanitárias, federais, estaduais, municipais, leis, decretos, portarias e RDCs, e órgãos como MAPA, ANVISA, INMETRO, PROCON, com várias dicas, notas, avisos, entre outros de rotulagem geral de alimentos.

    A Food Soul Marketing Nutricional foi fundada há cerca de 5 anos na cidade do Rio de Janeiro-RJ. A ideia era criar uma empresa com profissionais da área da saúde com experiência e entendimento do mercado de alimentos, que pudesse dar suporte à esse mercado em questões relacionadas à regulamentação e ao desenvolvimento de ROTULAGEM NUTRICIONAL.

    “Comunicar ao máximo e com o máximo de segurança”; é isso que buscamos no trabalho de rotulagem que desenvolvemos.

    O que começou pequeno e como um sonho, hoje é um trabalho consistente (junto a grandes marcas, tanto nacionais quanto internacionais) e diversificado (rotulagem, treinamento, registro de produto, entre outros), mas sempre focado na questão e importância da rotulagem de alimentos.

    Temos o tema em nosso DNA, e queremos cada vez mais discutir sua importância junto aos profissionais de saúde, indústria de alimentos, órgãos reguladores e consumidores. Esperamos por esse canal poder contribuir e fomentar positivamente a discussão sobre Rotulagem Nutricional de alimentos.

    Segue o link da nossa página no facebook e do nosso site: Obrigada!

    Facebook: https://www.facebook.com/pages/Food-Soul-Marketing-Nutricional/101832663323600?ref=tn_tnmn
    Site: http://www.foodsoul.com.br/
    Contato: contato@foodsoul.com.br


    FOOD SOUL - Marketing Nutricional

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Parkinson- Dia Mundial

Troque o Refrigerante por um Suco Natural

Romã e seus (muitos) benefícios