Romã e seus (muitos) benefícios




A romã (Punica Granatum L.), uma “fruta” muito comum nessa época do ano, mas que deveria ser consumida o ano todo,  é oriunda da Grécia, Síria, Chipre e do Oriente Próximo. Os gregos a consideravam o símbolo do amor e da fecundidade, enquanto os judeus acreditam que ela é um sinal de prosperidade para o ano novo.
Suas sementes são ricas em ácidos graxos essenciais e fitoesteróis.  Além disso, a fruta é rica em proteínas, fibras, vitaminas, minerais e isoflavonas que promovem efeitos benéficos à saúde. De acordo com os estudos ela ajuda no controle do perfil lipídico contribuindo na prevenção da obesidade e doenças cardiovasculares. Ela pode agir como inibidora da lipase e como supressora de apetite e por isso não deve ser consumida em grandes quantidades. A dose ideal deve ser prescrita por um nutricionista.
Dona de um potencial antioxidante que supera o vinho e o chá-verde, ela previne o câncer de próstata, ameniza os sintomas da artrite, e conta com vários outros benefícios. A fruta oferece uma série de nutrientes como o cálcio, o ferro, o potássio, o magnésio, o sódio, o fósforo, a vitamina C e o ácido elágico. Seu maior e principal benefício, contudo, é ser uma poderosa arma antioxidante e neutralizar os radicais livres. Dessa forma, a romã previne doenças relacionadas ao estresse oxidativo, como câncer, doenças neurodegenerativas, diabetes, entre outras. No caso das doenças cardiovasculares o estresse oxidativo reduz os níveis do vasodilatador óxido nítrico, provocando danos ao tecido, promovendo a oxidação protéica e o dando ao DNA e, induzindo respostas inflamatórias. A romã atua atenuando o processo inflamatório (oxidação do LDL), melhorando o quadro de aterosclerose.

Poderoso ácido elágico
Esse ácido é responsável pela brilhante coloração avermelhada da romã, e ainda tem ligação com as moléculas de cobre e de ferro. Com isso, ele inibe a formação dos chamados radicais livres e, além disso, impede que eles ataquem as células. O ácido elágico também tem o poder de reduzir sintomas da artrite, de acordo com uma recente pesquisa da Universidade Case Western Reserve, situada nos Estados Unidos (EUA).

Sobre o Câncer de Próstata, Um estudo da Universidade da Califórnia sugeriu que o consumo do suco da romã tem como propriedade a capacidade de redução do antígeno prostático específico (PSA), além de combater a multiplicação de células cancerígenas. A partir dessas evidências, a fruta vem sendo relacionada à prevenção dessa doença.

Outros benefícios
Pele: a romã possui uma capacidade antioxidante três vezes maior do que o chá-verde, segundo pesquisa da Universidade de Baroda, na Índia: uma arma contra o envelhecimento precoce.
Músculos: o consumo do suco espanta as dores musculares causadas pela prática de exercícios físicos. Entre os homens o benefício foi a diminuição de 25% nas dores corporais.

Antibactericida: a casca é fonte de ácido gálico, útil contra vírus e bactérias. O extrato é um poderoso antisséptico, combatendo bactérias gram-positivas e gram-negativas.

Importante: é preciso cautela com riscos de intoxicação por superdosagem da romã. Nas infusões, não deve ser consumida mais do que 1/4 da casca da fruta. Sua ação é potente para atacar bactérias causadoras das infecções, mas substâncias contidas na fruta, também podem agredir a mucosa intestinal, além de causar paralisia temporária.

E evite aquecê-la, o calor destrói as propriedades da fruta.



Tenham um Feliz e Vitaminado Ano Novo!!!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parkinson- Dia Mundial

Troque o Refrigerante por um Suco Natural